Área Cultural Área Técnica

 Ciência e Tecnologia  -  Colunistas  -  Cultura e Lazer
 
Educação  -  Esportes  -  Geografia  -  Serviços ao Usuário

 Aviação Comercial  -  Chat  -  Downloads  -  Economia
 
Medicina e Saúde  -  Mulher  -  Política  -  Reportagens

Página Principal

R E P O R T A G E N S
V I A G E N S
"Cruzeiro pelo Atlântico"

FERNANDO TOSCANO, EDITOR-CHEFE DO PORTAL BRASILDIÁRIO DE BORDO - Por Fernando Toscano (*)
PERCURSO: Rio de Janeiro – Buenos Aires – Punta del Leste – Ilhabela – Rio de Janeiro
PERÍODO: 19 à 27 de dezembro de 2009
EMPRESA: MSC Cruzeiros
NAVIO: MSC Opera (2004), 59.058 toneladas, fabricação norueguesa, empresa italiana
FOTOGRAFIAS / CRÉDITOS: Portal Brasil®  (Clique nas fotos para ampliá-las e passe o mouse, sem clicar, para ler os textos respectivos).*

            Nossa experiência (eu e minha esposa) inicia-se no dia 17 de dezembro de 2009, uma quinta-feira. Nada de voucher apesar da compra do pacote ter sido efetuado 40 dias antes, pago com cartão de crédito American Express. Após uma pressão – e preocupação – recebemos o documento que garantiria a nossa viagem.

            Chegamos ao porto por volta de 10:30 horas (o navio partiria às 18:00 horas). O táxi, que nos levou do Aeroporto Santos Dumont, a menos de 10 minutos dali cobrou, antecipadamente,  R$ 20,00 (no taxímetro R$ 8,40). Isso foi o de menos. Fingindo de bobo (se ele nos deixasse no local correto teria que andar quase 1 km para retornar), o motorista nos deixou no local errado (ali partiria outro navio – o Ibero, num cruzeiro universitário). Ao chegar já fui “glosado” do grupo – uns garotões me entreolharam como que questionando: “O que esse tio barrigudo quer aqui no nosso meio?”. Fingi que não era comigo e me acomodei. Após uns 30 minutos desconfiei que estava num local errado apesar da mocinha representante da MSC pedir que aguardasse ali mesmo. Nos dirigimos ao portão 1 – uns 300 metros de distância – , carregando 3 malas e sacolas e entrei numa fila para entrega das malas. Após 15 minutos (por volta de 11:15h) três rapazes da MSC vieram etiquetar as malas e logo entregamos aos "maleiros". Daí fomos para outra fila (da MSC). Lá checaram rapidamente a documentação e colaram uma etiqueta numerada nos vouchers e nos enviaram para uma terceira fila – para entrar na sala de embarque. Nessa terceira fila conferiram o documento de novo e entramos numa sala de embarque onde ficamos aguardando até a chamada, que seria feita às 13:00h – um local tumultuado, apertado, sem conforto nenhum. Como nosso cartão era o de nº 1 (a ordem é: A, 1, B, 2, C, 3 e assim sucessivamente – as letras representam os grupos preferenciais por ordem de chegada “idosos, grávidas, pais com crianças, etc” e os números os demais passageiros também por ordem de chegada). No horário marcado entramos na quarta fila e fomos ao balcão da MSC – com diversos atendentes. Lá conferiram os documentos (voucher, passaporte e/ou RG, guia de imigração e cartão de crédito). Fizeram um bloqueio de US$ 250.00 no meu cartão de crédito para as despesas no navio (segundo a atendente esse era o limite permitido pela empresa). Isso conferido me entregaram dois “cruise cards” que serviriam para nossa identificação e pagamento de todas as despesas a bordo, inclusive compras no free shop. Quando fosse atingido o limite bloqueado na administradora de cartões de crédito, automaticamente, seria este seria aumentado. No navio há um balcão de contabilidade onde você confere suas despesas e trata de todos os assuntos ligados ao crédito do “cruise card”, extratos e câmbio. Após esse procedimento, de aproximadamente 15 minutos, fomos à Polícia Federal. Após 10 minutos de fila e rápida checagem nos liberaram e fomos para a sexta fila.  Retiveram nossos passaportes, conferiram bagagem de mão e, por volta de 13:30h estávamos, finalmente, a caminho do navio, ancorado 500 metros adiante. Eu me sentia desconfortável e encalorado...

O COMANDANTE GIUSEPPE GALANO   CONVÉS - INICIO DA NOITE NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO   DURANTE A NAVEGAÇÃO DIVERSAS ATIVIDADES SE DESENVOLVIAM NO CONVÉS COM A EQUIPE DE ANIMAÇÃO

            A entrada no navio foi cercada de pessoas gentis, muitas fotos e fomos almoçar seguindo orientação da recepcionista. Muito bonita a decoração, pessoas bonitas e arrumadas e um navio luxuoso foi a primeira impressão. Almoçamos no Le Vele Restaurante, ponte 11 (11º andar). O self-service, bem fraco, parecia um restaurante comum de qualquer cidade brasileira. Comida “meia boca”, garçons não muito bem treinados,desinteressados em nos atender com rapidez e cortesia, o que nos decepcionou um pouco. Descemos e fomos ao nosso apartamento, nº 8124, localizado no 8º andar (o primeiro número é o andar e os demais é o número do apartamento). Existem três tipos: suítes internas e externas, apartamentos internos e externos (para casal ou solteiro, dois beliches com camas retráteis). O meu, mais simples, era a suíte interna. O custo: dois meses antes da viagem, oito noites, em torno de US$ 2,400.00 o casal, incluso seguro de vida.

OS CORREDORES QUE DIVIDEM OS DIVERSOS SALÕES DO NAVIO SÃO ESPAÇOSOS E LUXUOSOSO navio:

            Dos 12 andares do navio, o 5º e 6º servem para cafés, salões diversos, cassino, lojas diversas (free shop), loja de fotografias, teatro, local para massagens, piano bar, cyber café, recepção, departamento de contabilidade e excursões. No 7º ainda há um grande centro médico, biblioteca, um lounge e uns poucos apartamentos. Do 8º ao 10º estão os apartamentos, no 11º há as piscinas, um restaurante aberto, pizzaria, salão de beleza, um restaurante fechado, sorveteria e áreas de lazer. Subindo o convés, no 12º, na parte de trás do navio (popa) se encontra a boite, salão de jogos virtuais e uns poucos apartamentos; nas laterais há pistas de cooper e uma grande área de visualização das piscinas e da área externa do navio; e na proa (frente) há uma grande academia de ginástica, salões de beleza, bufalo bill (espaço para crianças), salão de massagens/spa, sauna e outros apartamentos. No 13º andar, subindo pelo lado externo do navio, há um campo de mini golfe e uma área de lazer. Na verdade um navio completo, bem cuidado, acabamento luxuoso, ótimos elevadores (são 9) e tudo muito bem planejado e funcionando com perfeição. A maioria, nessa rota, são de brasileiros. Os funcionários são de diversas nacionalidades: localizei muitos italianos, indonésios (Ilha de Bali) e brasileiros e alguns indianos, coreanos, chineses, argentinos e de Madagascar. O navio, construído na Noruega em 2004, possui 251,25 metros de extensão por 28,8 metros de largura, capacidade para 1.712 passageiros (na configuração de apartamento duplos) e 740 tripulantes, 4 motores de 7.920 HPs, 1 diesel de 3.960 HPs e 2 geradores eólicos de energia elétrica para 20.000 Kwh. Ele navega à velocidade de até 21,7 nós, possui muitas tomadas de 110/220 voltas e 856 cabines, sendo 172 delas externas, com varandas. O comandante atual é um italiano em torno de 55 anos chamado Giuseppe Galano. Existem outros oficiais que dão o apoio e o mais curioso foi descobrir que o comandante gerencia tudo (inclusive questões financeiras e de eventos), mas não é ele quem pilota. Também quem atraca e desatraca o navio nos portos são os “práticos” locais, que embarcam próximo dos portos (2 a 3 horas antes). A velocidade média durante o percurso foi em torno de 20 kts (20 nós) e a distância entre o Rio de Janeiro e Buenos Aires é de 1.024 milhas náuticas (cada milha náutica equivale a 1.852 metros – a milha terrestre equivale a 1.609 metros, portanto, diferente). Uma área muito bonita é vista da boite já que ela é integralmente fechada com vidros tipo blindex panorâmicos, do piso ao teto, e ainda com saída para área externa na popa. Os andares de baixo (1º ao 4º) servem para estoque de alimentos, cabines de tripulantes, depósitos de materiais, casa de máquinas, usina de dessalinização, estoque de água potável (o consumo diário é em torno de 500 toneladas de água), almoxarifado geral, etc. Os passageiros não têm acesso às estas áreas (o 4º andar é utilizado eventualmente quando o navio pára em localidades que não dispõem de um porto com capacidade para grandes embarcações e o utilizam para embarcar passageiros em lanchas que dão acesso aos piers.

MSC OPERA, EMPRESA ITALIANA, FABRICAÇÃO NORUEGUESA, SOFTWARE DE NAVEGAÇÃO NORUEGUES/NORTE-AMERICANO (SCANDINAVIAN SYSTEMS)

A viagem:

            Após o almoço “meia boca” fomos para o apartamento. Nossa primeira impressão – que foi confirmada depois – foi que era este melhor que o esperado. Tudo funcionava perfeitamente, limpos, tamanho bem razoável, banheiro bom, de tamanho adequado, toalhas de banho e de mão, cama de casal, cobertores, shampoo, sabonete líquido, toalha de piso, muitos armários e cabides. As paredes dispunham de quadros novos e bonitos e três grandes espelhos. Existe um eficiente secador de cabelos no banheiro e diversas tomadas 110/220v. As malas já nos esperavam na porta do apartamento; arrumamos tudo e fomos descansar até a partida. O cruzeiro partiria as 18:00h, mas na verdade só o fez às 20:00h. A programação era:

19.12 - Partida: 18:00h (Rio de Janeiro)
20.12 – Navegação
21.12 – Navegação
22.12 – Chegada: 10:00h (Buenos Aires), após 1.024 milhas náuticas
23.12 – Partida: 17:00h (Buenos Aires)
24.12 – Chegada:  08:00h (Punta Del Leste), após 174,1 milhas náuticas
24.12 – Partida:  17:00h (Punta Del Leste)
25.12 – Navegação
26.12 – Chegada: 10:00h (Ilhabela), após 844 milhas náuticas
26.12 – Partida: 22:00h (Ilhabela)
27.12 – Chegada: 10:00h (Rio de Janeiro), após 137 milhas náuticas - total navegado:2.179,1 milhas náuticas (4.035,5 km).

            A viagem como um todo é muito boa, entretanto pude observar muitos detalhes que podem interessar aos iniciantes num cruzeiro. Primeiro: nunca compre nas lojas no início. Nos dois últimos dias as lojas costumam fazer promoções bastante interessantes (20%, 30%, pague 2 e leve 3, etc). No MSC Opera havia uma joalheria (Via Condotti), uma loja de roupas, bolsas, relógios e acessórios, outra de óculos e artigos do gênero, uma de chocolates e bebidas e uma perfumaria e artigos do gênero. Fiquei um pouco decepcionado com a quantidade e, principalmente, variedade. As bolsas variavam de US$ 40.00 até US$ 170.00 (várias de marcas famosas, como Valentino). Os perfumes estavam baratos: Opium grande feminino (US$ 133.00 e, na promoção, US$ 103.00), Azzaro (US$ 52.00), Jean Paul Gaultier grande masculino (US$ 111.00), J’adore (US$ 81.00) – pouco acima do preço no mercado norte-americano e 50% a menos em relação ao preço praticado no Brasil. Tudo você paga no cartão do navio (cruise card).

VISTA DO LOBBY ONDE SE ENCONTRA O ESCRITÓRIO DE EXCURSÕES, NO 5º ANDAR   VISTA DO RESTAURANTE LE VELE, NO PISO 11   VISTA PARCIAL DO FREE SHOP - 5º PISO

            Os restaurantes são um caso à parte: são três – o La Caravella (ponte 5), L’Approdo (ponte 6) e Le Vele (ponte 11). No La Caravella você é bem atendido por garçons setoriais onde cada um deles tem uma função específica (servir apenas pães, croissants, servir apenas bebidas e servir os pratos), todos comandados por um maitre e seu assistente (italianos). Eles são razoavelmente gentis – procure pelos brasileiros, mais eficientes, evite os italianos. O café da manhã vai das 07:00h às 09:30h e o almoço das 12:00h às 14:00h e as mesas são livres. O jantar já é diferente. Você tem a sua mesa – reservada desde sua entrada no navio – e o horário é rigoroso e causa confusão no início. Ele vai de 20:00h às 22:15h com 15 minutos de tolerância (para aqueles escalados no 1º turno) e de 22:15h à 00:30h (para os escalados para o 2º turno). Mas isso não funciona como no Brasil. Você tem que chegar até as 20:15h senão não entra mais. Essa tolerância é em relação ao horário de chegada. No 1º dia, 90% dos passageiros chegaram atrasados pensando haver a possibilidade de entrada durante todo o período. Isso não está bem explicado e causa enorme confusão. Quando você faz o pedido deve escolher entre todas as opções (entrada, salada, sopa, massa, prato principal e sobremesa). Em torno de 15 minutos os pratos vão chegando, você vai terminando e o outro lhe espera, tudo rápido e razoavelmente eficiente. Entretanto a comida é pouca – estilo francês mesmo. A qualidade é boa. Existe boa carta de vinhos italianos e brasileiros na faixa de US$ 12.00 á US$ 25.00 a garrafa. No Le Vele não há mesa reservada e é um ambiente mais simples, serviço self-service. Achei a qualidade da comida fraca, apesar da boa variedade. Comi no primeiro dia e depois não voltei mais. Entretanto o horário é mais flexível (café da manhã entre 07:30h e 10:30h, almoço de 12:00h às 15:00h e jantar de 19:00h até 22:30h). Existem os garçons que ficam repondo os produtos no buffet, os que retiram pratos e os que servem bebidas (estes são poucos, usam roupa bege diferente e pouco eficientes). Vale a pena ir no Le Vele apenas no café da manhã pois como é self-service você escolhe o que quer, serve a quantidade que quer e o número de vezes que deseja (no La Caravella eles trazem já nos pratos o que você escolheu). O L’Approdo só é utilizado para o jantar e segue o estilo rigoroso do La Caravella.

            A navegação pelo litoral da costa sul-americana é, geralmente, bem tranqüila. O mar não é agitado e não existem grandes ondas e você pode observar, com alguma sorte, no sul, golfinhos e focas. Os motores do navio são bem silenciosos e há pouquíssima vibração - chega a surpreender. Aqueles com tendência a enjoar devem tomar remédio recomendado pelos médicos (geralmente Dramin). Dormi bem e em silêncio todos os dias, à exceção de um, quando um rapaz da manutenção começou a fazer barulho na tubulação às 06:00h da manhã. Interessante frisar o cuidado com o navio que é inteiramente lavado todos os dias e pintado eventualmente, mesmo nos portos. O maior problema que observei nessa viagem foram as crianças brasileiras, sem limites, sem educação, correndo e gritando o dia inteiro. A equipe de animação não consegue controlar todos eles e os pais são extremamente displicentes – largam as crianças “à deus dará”, que tumultuam, estragam muita coisa, pisam em sofás, jogam coisas, etc.

A BYBLOS DISCO É UMA MODERNA BOITE LOCALIZADA NO 12º ANDAR, NA POPA DO MSC OPERA   CARUSO LOUNGE - 7º ANDAR, PRÓXIMO AO CENTRO MÉDICO   COTTON CLUB, PISO 6, BASTANTE DISPUTADO À NOITE

            Na piscina há diversas atividades interessantes, bingos, jogos de quiz, os rapazes e moças da equipe de animação são gentis, há apoio para serviços de bar, etc. Contei perto de 800 cadeiras para banhistas, são duas piscinas adultas, duas para crianças - frias - e duas jacuzzi com hidromassagem quentes, todas com água salgada. Existem chuveiros de água dessalinizada ao lado das piscinas e serviço eficiente e gratuito de fornecimento de toalhas ao lado das piscinas.

            São diversos os bares e cafés e muita música à noite. A maioria encerra às 01:00h da manhã (exceção do Cassino e da Byblos Disco que fecham quando sai o último cliente). O serviço de quarto não é cobrado (nem para o café da manhã, chamado de "Café Continental") e funciona 24 horas, bem como o cyber café, o serviço de despertador e recepção. Diariamente há um informativo com tudo o que acontecerá nas próximas 24 horas, vale a pena ler com atenção (tem diversas festas e shows - a programação é boa, fique atento).

            O serviço de quarto é muito bom. Há duas arrumadeiras para uma média de cada 20 apartamentos e eles são arrumados pela manhã e à noitinha (duas vezes ao dia, trocam tudo). No nosso caso elas foram muito gentis – uma brasileira e uma de Madagascar (a Sólo). O box do banheiro é ligeiramente apertado, mas suficiente. Há shampoo e sabonete líquido – ambos de boa qualidade – água quente na pia e no banho (água dessalinizada). Na pia há porta-trecos, copos, suportes diversos, duas lixeiras e sabonete líquido na própria torneira. O vaso usa um sistema de sucção bastante eficiente. Tudo funcionou perfeitamente. Na TV existem 15 canais, sendo 8 institucionais, um deles com todas as informações da viagem e outro com uma câmera apontada para a proa do navio.

O MONTE CARLO CASSINO, LOCALIZADO NO PISO 6, SÓ RECEBE MAIORES DE 18 ANOS E É UTILIZADO APENAS QUANDO EM NAVEGAÇÃO   A LOJA DE FOTOGRAFIAS (PHOTO SHOP) É BASTANTE COMPLETA E EFICIENTE E FUNCIONA NA PONTE 6   PIAZZA DI SPAGNA, LOCAL DE MUITOS EVENTOS NOTURNOS - PONTE 5

            Os principais oficiais são bastante sérios e de pouco papo, mas bem eficientes – a grande maioria italianos. Há de se destacar que quando se chega nos portos há diversos serviços vendidos a bordo (passeios os mais diversos). Dica: você paga praticamente o dobro. No primeiro dia, em Buenos Aires, errei e comprei no próprio navio, mas foi muito bom o passeio (city tour de dia e jantar com show de tango - excelente. Custaram, respectivamente US$ 20.00 e US$ 80.00 por pessoa. O serviço foi feito pela agência Agaxtur (brasileira, com sede em São Paulo) e quem comandou o passeio foi a excelente e experiente guia Patrícia. Em Punta Del Leste fiz a opção de comprar em terra. O mesmo passeio, que no navio custou US$ 47.00 por pessoa, me custou US$ 25.00 comprando em terra.

            A impressão geral é de que vale à pena, um passeio diferente, mas relativamente caro e que deve ser feito por todos pelo menos uma vez. Vale a pena, mas não é para toda hora. Pretendo no futuro fazer outros menores, talvez pela costa brasileira (4 dias) e um para a Europa (9 dia se for só de ida e 18 dias se ida e volta). Procure viajar fora do período de férias escolares. Será uma viagem bem mais agradável e sossegada. O que ficou foi de um navio excepcional, uma tripulação média e passageiros não tão gentis e educados. Não se estresse e aproveite. Pelo preço, vale à pena! Somando a viagem, os passeios, as despesas com bebidas e as poucas compras nosso gasto total foi de US$ 3,046.00, no câmbio de hoje, R$ 5.787,40).

Buenos Aires: Uma cidade decadente velha, suja e decepcionante. Um porto muito bom no aspecto técnico, muito melhor que os brasileiros, mas que deixa a desejar para os passageiros. Tem um bom serviço de ônibus. Vale a pena ir ao show de tango (fui num restaurante chamado “Esquina Carlos Gardel”, comprei no navio, US$ 80.00 por pessoa incluso jantar e vinho – excelente e surpreendente). Os preços para compras são bons, o trânsito é caótico perto do porto. Existem alguns prédios novos, a região do Rio Madero é boa, Caminito e tudo mais é ruim (sujo, desorganizado, velho, sem manutenção). Uma cidade que vive do passado, mas precisa acordar. Santiago e as principais cidades brasileiras são infinitamente superiores. De qualquer forma, pela cultura diferente, alguns poucos monumentos, pelos shows de tango e pelas compras, vale à pena (a moeda de lá, o Peso Argentino, estava desvalorizado: 1 peso = R$ 0,50 ou US$ 0.25). Nesse passeio chegamos na capital argentina na 3ª feira às 08:00h e zarpamos na 4ª feira às 17:00h.

Punta Del Leste: Não há porto (o navio fica ancorado há 3 km da cidade e diversas lanchas fazem o transfer – inclusive lanchas do próprio navio). A cidade é limpa, muito bonita, grandes áreas verdes, excelente manutenção, caríssima. Um imóvel de 29m2 custa entre US$ 150 mil e US$ 200 mil, um apartamento médio de 2 quartos de frente para o mar, US$ 1 milhão, fora da orla, cerca de US$ 800 mil. Na área sofisticada há casas entre US$ 1 milhão e US$ 10 milhões, aluguéis em mansões por volta de US$ 30 mil por mês mais taxa de condomínio (que inclui jardineiro, piscineiro e empregada doméstica) que varia de US$ 1.200 até US$ 9 mil mensais. Detalhe: quem aluga assina um contrato e não deve utilizar algumas partes nem alguns móveis da casa. É um balneário muito interessante, de gente sofisticada, muitos carros caros e um padrão de vida alto (uma garrafa de água mineral custa US$ 3.00). A chegada foi às 06:00h e a partida às 17:00h.

O MSC OPERA E O PULLMANTUR EM FRENTE À BAÍA DE PUNTA DEL LESTE, URUGUAI, 24.12.2009

Ilhabela: Fica numa enseada muito bonita, com grandes casas e lanchas e iates enormes. Há passeios por trilhas, feitos com jeeps e outros de escuna. Como é uma área bem preservada e com mata atlântica intensa há muitos mosquitos, chamados borrachudos, que incomodam um pouco. Optei em ficar no navio Chegamos na cidade às 08:00h e partimos às 22:00h.

A chegada:

            A chegada no Rio de Janeiro me preocupava. Primeiro se chovesse: seria um tumulto porque não há área de proteção. Segundo porque se estivesse muito quente todos sofreriam bastante. O navio ancorou exatamente às 07:20h. Todos deveriam deixar as malas fechadas do lado de fora dos apartamentos até às 01:00h do dia da chegada e deixar os apartamentos até às 07:00h já que as arrumadeiras precisam preparar o navio para a próxima turma, que embarcaria no início da tarde (o navio sairia para Salvador no mesmo dia às 16:30h). Quando acordamos debaixo da porta já estava nosso resumo das despesas (você pode pedir isso a qualquer momento para ir checando se está tudo ok). Detalhe: a taxa de serviço é de 15% e não 10% como estamos acostumados no Brasil. Se você for pagar com cartão de crédito, basta assinar uma via na recepção, sem fila, rapidamente. Para quem fizesse opção de pagamento em dinheiro (ou caso a administradora não liberar o cartão de crédito - muitos excedem os limites) deveria pegar fila e pagar. Nesse caso você ficará na fila entre 30 e 60 minutos.

            Tudo pago você vai tomar o café da manhã. Isso feito você deverá saber qual a cor da fita que você etiquetou as malas (eles entregam um dia antes). São oito cores (na ordem de liberação: verde, lilás, vermelha, amarela, cinza, rosa, azul e marrom). Cada grupo vai para um local e você fica aguardando a chamada para desembarque. Nesse momento eles checam se seu pagamento está ok, se o apartamento está ok e se a alfândega liberou todas as malas. No meu caso fui da 3ª turma (vermelha) e aguardei de 07:45 até 09:25. Quando chamados a desembarcar o primeiro problema. O navio estava a 500 metros do galpão onde estavam as malas e o porto forneceu vans (vans????) para o transporte. Pelas minhas contas seriam necessárias 113 vans ou 28 viagens de cada (eram 4 por navio). Uma vergonha... fiz opção em ir à pé (diversos fizeram essa mesma opção, inclusive idosos). Fui carregando malas, sacolas e trambolhos debaixo de enorme sol. Cheguei bufando no galpão e quase desesperei ao verificar pelo menos umas 5.000 malas dispostas uma ao lado da outra e enorme tumulto - todo mundo procurando ao mesmo tempo, um calor infernal e muito mal humor. Após localizadas minhas malas fui para outra fila (passar pela alfândega) - mais meia hora e um pouco de stress (com os brasileiros furando fila - esse "jeitinho brasileiro" me irrita profundamente). Isso feito fomos para outra fila (debaixo de sol forte) para pegar táxi. Fiquei me sentindo meio tonto e a vista ligeiramente turva de tanto calor e irritação. Esse foi o ponto fraco da viagem. Por ser domingo, o motorista me cobrou um pouco mais que o outro (R$ 25,00) para me levar ao Aeroporto Santos Dumont, pertinho dali. Fico imaginando se estivesse chovendo...

O NAVIO POSSUI CORREDORES DE QUASE 200 METROS DE EXTENSÃO. AQUI NO PISO 8 ENTRE AS CABINES EXTERNAS E INTERNAS PARES   AS AMPLAS ESCADAS E ELEVADORES OFERECEM LUXO E CONFORTO AOS USUÁRIOS DO MSC OPERA   O MSC OPERA POSSUI 2 PISCINAS ADULTAS, 2 INFANTIS E 2 DE HIDROMASSAGEM COM ÁGUA QUENTE

Dicas:

            Após observar atentamente muitos detalhes posso dar algumas dicas para facilitar a sua viagem:

1) Se o navio parte às 18:00h - chegue as 12:00h. Você pega uma senha e 1 hora depois já está embarcando (as empresas informam o horário do check-in);
2) Não leve ferro de passar roupa (é proibido por questões de segurança);
3) A voltagem é 110/220v, mas leve um adaptador redondo. A tomada é redonda e fêmea dupla (110v) ou quadrada e fêmea tripla (220v);
4) Compre os passeios em terra. Desça cedo, pegue logo a senha no início do dia e volte cedo. O retorno perto do limite determinado pelo navio é arriscado (um casal ficou em terra e perdeu o passeio);
5) Faça compras nos dois últimos dias. Um detalhe importante: as lojas são fechadas quando o navio atraca (só abrem em navegação). No último dia funciona entre 22:00h e 24:00h apenas, portanto, atenção para não perder a oportunidade;
6) Um dia antes de chegar passe na contabilidade e peça uma prévia da sua conta e já confira. Pergunte se está tudo bem com o seu cartão de crédito - eles confirmam na hora;
7) Chegue cedo no café da manhã - é menos tumultuado, os garçons servem melhor e a comida está mais quente;
8) Procure ficar em locais com garçons brasileiros. Veja isso desde o primeiro dia. Seja gentil que eles serão com você (inclusive com as arrumadeiras);
9) Compre um ticket para bebidas (água e refrigerantes). Custa cerca de US$ 31.95, com taxas, e vem com 21 unidades (sai a US$ 1.52). Isoladamente sai a US$ 1.80 + 15% = US$ 2.07, US$ 0.55 a mais cada. Se você for 10) com dois filhos e esposa, consumir 12 latas ou garrafas de água por dia (três cada um), você economiza US$ 6.60 ao dia, US$ 52.80 em oito dias apenas com bebidas básicas);
11) Se você deseja tomar café no apartamento deve pedir na noite anterior (reservar). Peça o cardápio do serviço de quarto - os sanduíches são muito bons e não caros (US$ 4.00 em média);
12) Leve alguns remédios básicos. Lá não tem isso para vender (para dor de cabeça, enjoo, febre, um termômetro, cólicas intestinais e estomacais e azia - a comida é diferente e você pode sentir);
13) Leve também pasta de dentes, escova e protetor solar (lá é muito caro - comprei um tubo pequeno por US$ 68.00);
14) Leve um casaco para chuva e um pesado (no convés à noite faz frio e no sul o tempo é instável);
15) Nunca esqueça um bom óculos de sol e da máquina fotográfica (se tiver um notebook não esqueça do cabo USB ou um pendrive - por exemplo, eu tirei 950 fotos, fora filmagens);
16) Para usar o telefone: disque 55+55+0055+código da cidade+telefone (não use o número da operadora). O celular também funciona bem (no meu caso TIM) - atenção com o custo. Todos os apartamentos tem telefone interno e você fala com todo o navio e demais apartamentos (apenas disque o número da cabine desejada).
17) Nunca atrase para o jantar. Após 15 minutos do horário de entrada (1º grupo às 20:00h e 2º grupo às 22:15h) eles fecham o restaurante;
18) No seu cartão você tem diversas informações importantes: Nome, número da cabine, número do bote em caso de emergência, se faz parte do 1º ou 2º grupo, etc. Procure entendê-lo desde o início e confira todos os horários (eles alteram nos diversos cruzeiros). Também fique atento aos horários de verão - no navio é diferente, você deve seguir o horário do navio (neste tínhamos acesso pelo canal 23).

Alguns valores cobrados a bordo:
(Acrescer 15% de taxa de serviço)

- Telefone fixo: US$ 5.99 por minuto;
- Internet (no cyber café): US$ 5.00 os primeiros dez minutos + US$ 0.50 cada minuto (muito lenta);
- Refrigerante e água com gás: US$ 1.80;
- Água sem gás: US$ 1.50;
- Sanduíches leves: em torno de US$ 4.00;
- Vinhos (brasileiros e italianos): de US$ 12.00 à US$ 24.00;
- Bingo: cartelas vendidas a US$ 10.00 (prêmios de US$ 1,000.00 à US$ 1,500.00);
- Massagens de Bali: 30 minutos (US$ 40.00); 45 minutos (US$ 60.00); 60 minutos(US$ 80.00); 45 minutos para duas pessoas (US$ 125.00);
- Manicure artística: US$ 10.00;
- Spa Manicure: US$ 20.00;
- Troca de esmalte: US$ 10.00;
- Reconstrução de unhas: US$ 73.50;
- Spa Pedicure: US$ 27.00;
- Academia: Aerofight (50 minutos): US$ 8.00 e Step (50 minutos): US$ 8.00;
- Chocolate suíço Lindt: US$ 13.00 (com 5 unidades de 100 g);
- Whisky John Walker Red: US$ 24.00;
- Perfumes: Opium Feminino 100 ml (US$ 103.00); Jean Paul Gautier Masculino 125 ml (US$ 111.00); Acqua di Gió Feminino 50 ml (US$ 52.00); J'adore Feminino 100 ml (US$ 81.00).

(*) Foi utilizada máquina fotográfica Canon, modelo SX20 IS, 12.1 MP, de propriedade do Portal Brasil. Todos os direitos reservados.
Esta reportagem tem caráter unicamente informativo. Toda a viagem e respectivas despesas foram pagas pelo Portal Brasil não se configurando, assim, nenhum tipo de publicidade.

            Se restaram dúvidas estou à disposição: fernando.toscano@portalbrasil.net.

            Um abraço,

(*) Fernando Toscano é o editor-chefe do Portal Brasil. Seu perfil.


FALE CONOSCO ==> CLIQUE AQUI